Idéias | Gestão do Fosfóro

Gestão do fósforo

Um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal: Estes quatro elementos fazem parte de uma das melhores histórias sobre atendimento que conhecemos. Um homem estava dirigindo a horas e, cansado da estrada resolveu procurar um hotel ou uma pousada para descansar. Em poucos minutos, avistou um letreiro luminoso com o nome: Hotel Venetia. Quando chegou à recepção, o hall do hotel estava iluminado com luz suave. Atrás do balcão, uma moça de rosto alegre o saudou amavelmente:

– ‘Bem vindo ao Venetia’. Três minutos após essa saudação, o hóspede já se encontrava confortavelmente instalado no seu quarto e impressionado com os procedimentos: Tudo muito rápido e prático. No quarto, uma discreta opulência; uma cama, impecavelmente limpa, uma lareira, um fósforo apropriado em posição perfeitamente alinhada sobre a lareira para ser riscado. Era demais!

Aquele homem que queria um quarto apenas para passar a noite, começou a pensar que estava com sorte. Mudou de roupa para o jantar (a moça da recepção fizera o pedido no momento do registro). A refeição foi tão deliciosa como tudo o que tinha experimentado naquele local até então. Assinou a conta e retornou para o quarto. Fazia frio e ele estava ansioso pelo fogo da lareira. Qual não foi a sua surpresa! Alguém havia se antecipado a ele, pois havia um lindo fogo crepitante na lareira.

A cama estava preparada, os travesseiros arrumados e uma bala de menta sobre cada um. Que noite agradável aquela! Na manhã seguinte, o hóspede acordou com um estranho borbulhar vindo do banheiro. Saiu da cama para investigar, simplesmente uma cafeteira ligada por um timer automático, estava preparando o seu café e, junto um cartão escrito: ‘Sua marca predileta de café. Bom apetite. Era mesmo!

Como eles podiam saber desse detalhe? De repente, lembrou-se: no jantar perguntaram qual a sua marca preferida de café. Em seguida, ele ouve um leve toque na porta. Ao abrir, havia um jornal. Mas, como pode? É o meu jornal! Como eles adivinharam?’ Mais uma vez, lembrou-se de quando se registrou: a recepcionista havia
perguntado qual jornal ele preferia. O cliente deixou o hotel encantado. Feliz pela sorte de ter ficado num lugar tão acolhedor. Mas, o que esse hotel fizera mesmo de especial?

Apenas ofereceram um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal. Nunca se falou tanto na relação empresa-cliente como nos dias de hoje. Milhões são gastos em planos mirabolantes de marketing e, no entanto, o cliente está cada vez mais insatisfeito, mais desconfiado. Mudamos o layout das lojas, pintamos as prateleiras, trocamos as embalagens, mas esquecemo-nos das pessoas. O valor das pequenas coisas conta, e muito. A valorização do relacionamento com o cliente.  Fazer com que ele perceba que é um parceiro importante!

Lembrando que:
Esta mensagem vale também para nossas relações pessoais (namoro, amizade, família, casamento, colegas de trabalho) enfim, pensar no outro como ser humano é sempre uma satisfação para quem doa e para quem recebe.

Prof. Marins

“Fail-Safe” Wisdom

“I’ve missed more than 9.000 shots in my carrer. I’ve lost almost 300 games. Twenty-six times, I’ve been trusted to take The game-winning shot and missed. I’ve failed over and over and over again in my life. And that is why I succeed”

– Michael Jordan

Livro | Budismo Significados Profundos | Hsing Yun

Eu tenho mania de ler alguns livros ao mesmo tempo, as vezes deixo obras para serem finalizadas. No meu caso a motivação para ler determinados textos (livros, revistas, jornais, etc) varia de acordo com o momento pessoal, profisional ou qualquer outra circunstância significativa, desta forma existem textos que começo a ler mas que poder ser finalizados psteriormente.

Foi o caso do livro deste post, iniciei a leitura que foi concluída hoje há algum tempo. Tenho muito interesse pelo budismo, perto da minha casa está instalado o maior templo budista da América Latina, o “Templo Zu Lai”. Tive contato mais de perto com o budismo neste templo e desde então procuro entender mais sobre a filosofia budista. Esta obra é básica e ideal para quem quer começar a entender um pouco mais sobre a “receita do budismo”.

Recomendo para os interessados no assunto que conhcem pouco sobre o tema.

A prática budista deve começar com quem somos e o que fazemos. Primeiro, aprendemos a controlar os impulsos negativos do corpo. Isso é moralidade. Em seguida, aprendemos a controlar a mente. Isso é meditação. Então, aprendemos a compreender as verdades profundas da vida. Isso é sabedoria. Cada estágio depende do anterior. Hsung Yun

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Desta forma a lista de 2010 fica assim:

1 – Eclipse | Stephenie Meyer | 27/01/2010 | OK

2 – Preciosa | SAPPHIRE | 15/02/2010 | OK

3 – O Prazer do Texto | Roland Barthes | 19/02/2010 | OK

4 – As Regras da Riqueza | Richard Templar | 07/03/2010 | OK

5 – O Leitor Apaixonado | Ruy Castro | 12/04/2010 | OK

6 – Yôga a sério | DeRose | 18/04/2010 | OK

7 – Hata Yôga – Autoperfeição | Hermogenes | 02/05/2010 | OK

8 – Letters from Leaders | Henry O. Dormann | 16/05/2010 | OK

9 – Você já pensou em escrever um livro? | Sonia Belloto | 05/07/2010 | OK

10 – Budismo Significados Profundos | Hsing Yun | 06/07/2010 | OK

Livro | Você já pensou em escrever um livro? | Sonia Belloto

Acredito que escrever é uma das artes mais fascinantes, ainda tenho vontade de escrever algo interessante que possa transformar-se em livro um dia. Com esta idéia comprei este livro da Sonia Belloto. SImples e interessante a autora relata em 123 páginas como compor uma obra literária.

Recomendo esta obra para os interessados no assunto.

Este livro é um roteiro para compreender as novas características do mercado editorial. Você descobrirá que escrever e publicar livros, através dos caminhos certos, é muito mais fácil do que parece. Também aprenderá técnicas que podem transformá-lo num escritor bem sucedido.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Desta forma a lista de 2010 fica assim:

1 – Eclipse | Stephenie Meyer | 27/01/2010 | OK

2 – Preciosa | SAPPHIRE | 15/02/2010 | OK

3 – O Prazer do Texto | Roland Barthes | 19/02/2010 | OK

4 – As Regras da Riqueza | Richard Templar | 07/03/2010 | OK

5 – O Leitor Apaixonado | Ruy Castro | 12/04/2010 | OK

6 – Yôga a sério | DeRose | 18/04/2010 | OK

7 – Hata Yôga – Autoperfeição | Hermogenes | 02/05/2010 | OK

8 – Letters from Leaders | Henry O. Dormann | 16/05/2010 | OK

9 – Você já pensou em escrever um livro? | Sonia Belloto | 05/07/2010 | OK